13.10.07

Bruxos e Satânicos




Yo no creo en las brujas pero que las hay... las hay!” Quando se fala destas “coisas” os nossos vizinhos espanhóis costumam utilizar este provérbio que agora lembramos por se adequar na perfeição para comentar certos fenómenos macabros ocorridos ao longo dos últimos anos no Alentejo Litoral.

Não sabemos o que é que se passa na cabeça das pessoas, nem porque é que vêm para cá… mas a região está a atrair um turismo negro que aqui desenvolve bruxarias e rituais satânicos. Desde há muito que se fala nestas paragens dos despojos encontrados nas matas, nas praias e em lugares ermos e dos gritos e barulhos que se ouvem, particularmente nas noites de Sexta-feira e de Sábado. Entre as zonas onde habitualmente se realizam estas práticas está o Pego das Pias, conhecido pelas melhores e piores razões! Porém no concelho de Odemira existem outros lugares que são procurados por esta gente, ainda no dia posterior à última lua cheia as ondas na Praia da Zambujeira arrastavam os restos daquilo que parecia ter sido um desses rituais.

Estas ocorrências atingiram uma dimensão que não passa despercebida e recentemente o semanário "Expresso" desenvolveu um artigo intitulado “Eles andam aí” na sua revista "Única". Segundo este semanário existe um “corredor negro” ao longo da costa alentejana, que compreende uma faixa entre Vila Nova de Santo André e Odemira. Nesta zona são realizados ritos satânicos; bruxarias; missas negras e adorações pagãs em que se sacrificam, mutilam e torturam animais e até pessoas, em que se consome álcool e substâncias que induzem a estados de euforia e êxtase; em que se recorre a variadíssimos apetrechos; elixires; bálsamos; velas; indumentárias e elementos simbólicos. Ligado a este tipo de práticas surge o assalto, o vandalismo e profanação de igrejas, cemitérios e símbolos cristãos com vários intuitos, nomeadamente o de obter hóstias sagradas e utensílios para a realização das cerimónias pagãs. É caso para se dizer Abrenúncio, Te Arrenego, Cruzes, Canhoto!
(Imagem extraída do artigo "Eles andam aí" publicado na Revista Única - Semanário Expresso.)

4 comentários:

Anónimo disse...

Caros Bloguistas
O vosso artigo deu um gozo muito grande à minha língua viperina, porque dedúzi serem os chefes dos lugares da censura tão pouco inteligentes que não atingiram ser posto aqui na Igreja de S. Teotónio um alarme para evitar a sua profanação por parte da bruxaria e seus seguidores, lamento não leiam o "Expresso" ou naveguem na net, porque o hoje metiam a língua no saco.
Te Arrenego tanta Má-Língua...
Jonas Vagamundo

Anónimo disse...

Lourinha
Gostei de ver a entrada principal do Quintalão, está muito bonita embora pobre, se mandasse faria um muro a tapar o catavento da torre sineira, desde o principio da fachada principal da Igreja até ao final garagem dos padres, e colocava no muro baixos relevos com as figuras mais carismáticas do governo local, era giro, histórico.
Viva a cultura dum povo que não cuida carinhosamente das poucas raizes históricas que tem.
Lamento dar-se tão pouco valor à Igreja, não como lugar de culto mas como monumento, o único interesse que lhe encontro, porém os que se dizem católicos nem esse lhe dão.
Theotónio

Anónimo disse...

Eu ja vi um desses rituariais!!!
Foi nos alteirinhos...

Anónimo disse...

Deviam de ter vergonha de vossa ignorancia..

Antes de falarem em paganismo,satanismo,rituais,etc deviam de se imformar primeiro..